VLI amplia volume de embarques de manganês no Terminal Portuário São Luís

Empresa atinge marco histórico de exportações do minério.

Por Assessoria 14/09/2020 - 08:06 hs
Foto: Divulgação

A VLI, companhia de soluções logísticas que integra terminais, ferrovias e portos, acaba de ampliar o volume de remessas de manganês para mercados externos por meio do Terminal Portuário São Luís (TPSL), no Maranhão. A empresa efetuou recentemente o embarque de 70.600 toneladas de manganês, provenientes do estado do Pará, com destino à China, superando o volume histórico de envios do minério efetuados pela companhia.

 Com a ampliação da capacidade de embarque, o transporte de manganês que, até então, era realizado por navios cargueiros da classe Supramax, aptos a deslocar entre 50 mil e 60 mil toneladas de carga, passa a ser feito com embarcações da classe Panamax, de maior porte e qualificados a movimentar mais de 70 mil toneladas de carga. É a primeira vez que a VLI realiza operações de navios Panamax para o transporte de minério de manganês desde o início de suas operações, em 2010. A movimentação do produto até o Terminal Portuário São Luís é realizada através da integração com a ferrovia, a partir do município de Marabá/PA.

 O aumento do volume de remessas de manganês – material essencial na fabricação de ligas metálicas, como ferro-manganês, usadas na produção de aço – para o exterior evidencia a eficiência do terminal, operacionalizado pela VLI no Porto de Itaqui.

 “Nosso objetivo é consolidar o Terminal Portuário São Luís também como referência para o embarque de Minério de Manganês. Em consonância com o poder público e com o empresariado regional, queremos explorar cada vez mais as potencialidades da nossa solução integrada (Terminal-Ferrovia-Porto), gerando eficiência, criando e compartilhando mais valor com os nossos clientes”, destaca Diego Zanella, gerente-geral Comercial da VLI.

 Sobre o Terminal Portuário São Luís

Situado na capital maranhense, o Terminal Portuário São Luís possui vantagem competitiva devido à sua localização estratégica, próxima da rota com a Europa e os Estados Unidos. Além do manganês, o terminal é responsável pelo envio de soja, milho e ferro gusa para outros mercados.