Porto do Rio de Janeiro ativa transceptores das boias de sinalização do Canal de Cotunduba

Por Assessoria 26/01/2021 - 09:26 hs
Foto: Divulgação

A Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ) informou que, na última quinta-feira (21), foram ativados os transceptores do Sistema de Identificação Automática de Embarcações com Auxílios à Navegação (AIS AtoN) das três Boias Articuladas Submersíveis (BAS) do Canal de Cotunduba, produzidas pela empresa capixaba UMI SAN Serviços de Apoio à Navegação e Engenharia e fundeadas no principal acesso aquaviário para navios de grande porte ao Porto do Rio de Janeiro. Com os dispositivos de AIS AtoN ativados e com os códigos atribuídos pela Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL), a moderna sinalização náutica passou a integrar o Serviço Móvel Marítimo, gerando maior segurança para a navegação. 

Concluída esta etapa, toda a implantação do projeto do novo balizamento do Canal de Cotunduba foi finalizada com sucesso, uma importante conquista para o Porto do Rio de Janeiro. A missão foi cumprida em tempo recorde, respeitando a legislação vigente e investindo em tecnologia e em parcerias confiáveis.    

O Gestor do Sistema de Gerenciamento e Informação do Tráfego de Embarcações (VTMIS) dos Portos do Rio de Janeiro administrados pela companhia  explicou que os transceptores transmitem marcadores virtuais que indicam aos navios o exato posicionamento das BAS, com uma delimitação precisa do canal, facilitando suas manobras e reduzindo o risco de acidentes. Ressaltou, também, que o produto é de alta qualidade e durabilidade, com garantia e assistência técnica do fabricante Sabik Marine: “É a mais moderna concepção de AtoN, inoxidável e com alta resistência a choque, vibração, temperatura, água, ventos e raios UV”. 

Relembre o projeto - As boias da nova sinalização náutica foram instaladas em março do ano passado, no intuito de permitir a navegação noturna mais eficiente e segura de navios de grande porte, com destino ao Porto do Rio de Janeiro, viabilizando assim um incremento de janelas das operações de embarque e desembarque, o que gerou um maior dinamismo e rentabilidade para os terminais conteineiros. De abril até o final de 2020, foram realizadas as duas primeiras fases do ‘ramp-up’ de manobras experimentais noturnas. No presente momento, está em curso a 3ª fase, com manobras de navios porta-contêineres de 306 a 335m de comprimento (LOA).   

O projeto, desenvolvido pela empresa Precursore Consultoria Portuária LTDA, por meio de uma parceria da CDRJ com a Marinha do Brasil (MB), a Praticagem-RJ e as empresas arrendatárias dos terminais portuários MultiRio, ICTSI-Rio e Triunfo Logística, faz parte de um conjunto de medidas que estão sendo executadas por esse Grupo de Trabalho (GT) que estuda melhorias para o acesso aquaviário ao Porto do Rio de Janeiro. Para a condução da faina de ativação dos Maritime Mobile Service Identities (MMSI), as equipes da UMI SAN e da SABIK contaram com apoio logístico da empresa Rio Interport.